terça-feira, outubro 11, 2011

Jogos do Próximo Fim de Semana


Agronomia vs AAC - 14h00 - 15/02/2011 - Tapada

Técnico vs Benfica - 14h30 - 15/02/2011 - Olaias

CDUP vs CDUL - 17h30 - 15/02/2011 - Zona Desporto Leça da Palmeira

Belenenses vs Direito - 15h00 - 16/02/2011 - Estádio do Restelo

terça-feira, dezembro 01, 2009

SUPER BOCK RUGBY CUP


Serve este "post" para vos deixar um somatório de estatísticas referente aos jogos de Portugal na Super Bock Rugby Cup.

Algumas notas pessoais dos jogos visionados:

A equipa esteve em crescente, somando sempre mais pontos que em jogos anteriores, melhorando de jogo para jogo, fazendo bons resultados, principalmente contra Argentina e Tonga. Estivemos sempre "dentro do resultado" e acabámos todos os jogos nos "22" do adversário tentando alcançar a vitória.

Realizámos 1ª partes de bom nível (principalmente contra Argentina e Tonga) com saídas rápidas das formações espontâneas, forte apoio ao transportador da bola (o ensaio a Tonga foi fantástico), mas continuamos a entrar parados no contacto quando recebemos essas bolas.

No jogo ao pé não temos sido eficazes. Por exemplo contra Tonga das 21 vezes que fizemos uso do pontapé, 1 conquistámos terreno, 1 conseguimos que Tonga disputasse a Touche nos seus "22" (Pontapé de António Aguillar depois de pedir "marco") e 19 foram "dadas" ao adversário.

Ganhámos um médio de formação, fantástico o Emmanuel Rebelo. O Miguel Portela está em excelente forma e dá sem dúvida outra maturidade nas linhas atrasadas. Penalidade jogada à mão contra Tonga, foi fantástico, só faltou os outros jogadores perceberem essa "matreirice" e apoia-lo. Juan Severino em excelente forma. O Júnior se melhorar fisicamente e tiver mais peso é um excelente pilar. Excelente a forma como ele apoia no ruck e é quase sempre o primeiro a cair na bola.

Na defesa do pontapé temos feito mal (a meu entender) a cobertura, principalmente nos "pontas"


Resultados:


1 - Estádio Universitário, dia 07 de Novembro de 2009, 16h30

Portugal - 09, Namibia - 12 (ao intervalo 06-06)



2 - Estádio Universitário, dia 21 de Novembro de 2009, 15h00

Portugal - 13, Argentina A - 24 (ao intervalo 10-08)


3 - Estádio Universitário, dia 28 de Novembro de 2009, 15h00

Portugal - 19, Tonga - 24 (ao intervalo 19-08)



Estatística:



TOTAL DOS 3 JOGOS

% - PORTUGAL - Geral - ADVERSÁRIO - %
41 - Pontos - 60
2 - Ensaios - 4
100,00% - 2 - Conversões - 2 - 50,00%
70,00% - 7 - Penalidades "Postes" - 12 - 92,31%
2 - Drop Goal - 0
85,37% - 35 - 1ª Parte - 22 - 36,67%
14,63% - 6 - 2ª Parte - 38 - 63,33%

TOTAL

% - PORTUGAL - Situações de Jogo - ADVERSÁRIO - %

81,48% - 22 - "Melee Ganhas" - 27 - 93,10%
18,52% - 5 - "Melee Perdidas" - 2 - 6,90%
65,31% - 32 - "Touches" Ganhas - 25 - 75,76%
34,69% - 17 - "Touches Perdidas" - 8 - 24,24%
32 - Penalidades Obtidas - 34
12,50% - 4 - Penalidade "à Mão" - 3 - 8,82%
53,13% - 17 - Penalidade "à Touche" - 18 - 52,94%
31,25% - 10 - Penalidade "Postes" - 13 - 38,24%
3,13% - 1 - Penalidade "Melee" - 0 - 0,00%
8 - "Mauls" Ganhos - 7
174 - "Ruck's Ganhos - 156
84,38% - 162 - Placagens bem sucedidas - 172 - 87,31%
15,63% - 30 - Placagens falhadas - 25 - 12,69%
62 - "Turn Overs" - 73
51 - Erros - 31
22 - Linha da Vantagem "ultrapassada" - 26
27,27% - 6 - Fases Estásticas - 8 - 30,77%
72,73% - 16 - Restantes - 18 - 69,23%
10 - Bola Perdida "22" - 3
17 - Bola Ganha "22" - 11

1ª Parte

% - PORTUGAL - Situações de Jogo - ADVERSÁRIO - %
85,71% - 12 - "Melee Ganhas" - 13 - 92,86%
14,29% - 2 - "Melee Perdidas" - 1 - 7,14%
66,67% - 22 - "Touches" Ganhas - 11 - 78,57%
33,33% - 11 - "Touches Perdidas" - 3 - 21,43%
21 - Penalidades Obtidas - 16
14,29% - 3 - Penalidade "à Mão" - 1 - 6,25%
57,14% - 12 - Penalidade "à Touche" - 10 - 62,50%
28,57% - 6 - Penalidade "Postes" - 5 - 31,25%
0,00% - 0 - Penalidade "Melee" - 0 - 0,00%
6 - "Mauls" Ganhos - 2
82 - "Ruck's Ganhos - 79
82,83% - 82 - Placagens bem sucedidas - 82 - 87,23%
17,17% - 17 - Placagens falhadas - 12 - 12,77%
31 - "Turn Overs" - 39
24 - Erros - 20
14 - Linha da Vantagem "ultrapassada" - 12
28,57% - 4 - Fases Estásticas -3 - 25,00%
71,43% - 10 - Restantes - 9 - 75,00%
4 - Bola Perdida "22" - 0
7 - Bola Ganha "22" - 5


2ª Parte

% - PORTUGAL - Situações de Jogo - ADVERSÁRIO - %
76,92% - 10 - "Melee Ganhas" - 14 - 93,33%
23,08% - 3 - "Melee Perdidas" - 1 - 6,67%
62,50% - 10 - "Touches" Ganhas - 14 - 73,68%
37,50% - 6 - "Touches Perdidas" - 5 - 26,32%
11 - Penalidades Obtidas - 18
9,09% - 1 - Penalidade "à Mão" - 2 - 11,11%
45,45% - 5 - Penalidade "à Touche" - 8 - 44,44%
36,36% - 4 - Penalidade "Postes" - 8 - 44,44%
9,09% - 1 - Penalidade "Melee" - 0 - 0,00%
2 - "Mauls" Ganhos - 5
92 - "Ruck's Ganhos - 77
86,02% - 80 - Placagens bem sucedidas - 90 - 87,38%
13,98% - 13 - Placagens falhadas - 13 - 12,62%
31 - "Turn Overs" - 34
27 - Erros - 11
8 - Linha da Vantagem "ultrapassada" - 14
25,00% - 2 - Fases Estásticas - 5 - 35,71%
75,00% - 6 - Restantes - 9 - 64,29%
6 - Bola Perdida "22" - 3
10 - Bola Ganha "22" - 6

MÉDIA POR JOGO

PORTUGAL - Geral - ADVERSÁRIO
13,67 - Pontos - 20,00
0,67 - Ensaios - 1,33
0,67 - Conversões - 0,67
2,33 - Penalidades "Postes" - 4,00
0,67 - Drop Goal - 0,00
11,67 - 1ª Parte - 7,33
2,00 - 2ª Parte - 12,67

TOTAL

PORTUGAL - Situações de Jogo - ADVERSÁRIO

7,33 - "Melee Ganhas" - 9,00
1,67 - "Melee Perdidas" - 0,67
10,67 - "Touches" Ganhas - 8,33
5,67 - "Touches Perdidas" - 2,67
10,67 - Penalidades Obtidas - 11,33
1,33 - Penalidade "à Mão" - 1,00
5,67 - Penalidade "à Touche" - 6,00
3,33 - Penalidade "Postes" - 4,33
0,33 - Penalidade "Melee" - 0,00
2,67 - "Mauls" Ganhos - 2,33
58,00 - "Ruck's Ganhos - 52,00
54,00 - Placagens bem sucedidas - 57,33
10,00 - Placagens falhadas - 8,33
20,67 - "Turn Overs" - 24,33
17,00 - Erros - 10,33
7,33 - Linha da Vantagem "ultrapassada" - 8,67
2,00 - Fases Estásticas - 2,67
5,33 - Restantes - 6,00
3,33 - Bola Perdida "22" - 1,00
5,67 - Bola Ganha "22" - 3,67

domingo, novembro 29, 2009

Portugal - 19, Tonga - 24


Introdução:

Depois de almoçar no novo restaurante do Estádio Universitário (O Stadium – brevemente crónica no http://www.coisasdecomer.blogs.sapo.pt/) dei uma volta pelo recinto do jogo (para fazer a digestão) antes da última partida da Super Bock Cup. Portugal defrontava a forte equipa do Tonga, num jogo que se previa de elevado grau de dificuldade. Se o jogo tivesse apenas 40 minutos Portugal teria obtido um resultado histórico, mas “infelizmente” o jogo dura 80 minutos!
Portugal entrou muito bem na partida, com a bola em seu poder e com o domínio territorial, só que cometia algumas faltas no chão e isso levava-a perder terreno que antes tinha sido conquistado. Tonga, muito forte nos Avançados iria marcar o seu primeiro ensaio aos 6 minutos depois de uma saída rápida do “ruck” com o médio de abertura Pierre Hola a fazer um pontapé cruzado à ponta direitinho ao ponta nº 11 Mani Vakaloa que só pararia dentro da linha de ensaio. Com o pontapé a não ser convertido a vantagem era apenas de 5 pontos. A reacção dos “Lobos” foi muito boa e a partir daí até ao intervalo iríamos dominar territorialmente, apenas com alguns interregnos desse mesmo domínio. Aos 12 minutos Pedro Cabral depois de um excelente trabalho dos Avançados no jogo à mão e de um passe certeiro de Emmanuel Rebelo consegue obter através de um Drop 3 pontos, reduzindo assim a vantagem dos visitantes. Portugal jogava melhor, fazia pouco uso do jogo ao pé e conseguia com um jogo compacto avançar no terreno com alguma consistência. Por outro lado defendia bem e mantinha a pressão alta não deixando os homens do Hemisfério Sul sair do seu meio campo. Destaque para o homem que foi considerado o “Super Lobo” Emmanuel Rebelo que fez um jogo de “encher o olho”. Muito bem no comando dos Avançados, corajoso no jogo sobre pressão e audaz na forma como placava os “gigantes” adversário e extraordinário no ataque, já que em muitas situações era ele que “mexia” com o jogo, quer na ligação com as linhas atrasadas (passes quase sempre perfeitos, ora para o pontapé, ora para jogo à mão), quer no jogo de Avançados. Aos 19 minutos o momento do jogo, um grande ensaio marcado por Gonçalo Uva, que antes recebera a bola depois de ela ter circulado por vários jogadores com o passe a ser feito sempre no limite, fixando o adversário na placagem. Jogadas rápidas, apoio ao transportador da bola e grande trabalho das linhas atrasadas na conquista de terreno eram estas as grandes armas lusas. Tonga parecia um pouco surpreendida com o jogo do adversário e cometia algumas faltas e erros não forçados. O “pack” de Avançados não estava a conseguir fazer o seu jogo e as linhas atrasadas não conseguiam sair do seu meio campo. Aos 24 minutos Portugal iria marcar mais 3 pontos graças a uma penalidade aos postes convertida por Pedro Cabral. A vantagem era agora de 8 pontos, ficando os visitantes “fora do resultado”. Portugal imprimia um forte jogo e apesar de perder algumas “Touches”(mas melhor que noutras partidas) estava muito seguro nas “melee´s” com destaque para João Júnior, que além de estar a formar muito bem era quase sempre o primeiro homem no “ruck” a proteger a bola. Aos 28 minutos nova penalidade aos postes convertida por Pedro Cabral que se traduziu em mais 3 pontos. Tonga conseguia sair aos poucos do seu meio campo e teve até uma excelente oportunidade para marcar ensaio mas a defesa de Portugal conseguiu travar muito bem o ataque adversário. Aos 37 minutos Tonga iria diminuir a desvantagem graças a uma penalidade aos postes convertida por Pierre Hola. Contudo os homens da casa empurram novamente a equipa adversária para o seu meio campo e conseguiam fechar a 1ª parte em beleza com um Drop (quase do meio campo) de Pedro Cabral ficando Portugal com uma vantagem de 11 pontos. Na 2ª Parte esperava-se uma reacção dos visitantes e verificaram algumas alterações por parte dos visitantes. Tonga foi mais forte no bloco de avançados e foi mais consistente no trio defensivo. Com um jogo mais físico e através da acção do seu forte “pack” o domínio territorial foi uma constante. Além disso fizeram uso da posse de bola para desgastar a defesa Lusa, que apesar de tudo esteve em grande nível e ganhou algumas bolas nos seus “22”. Aos 52 minutos depois de uma “Touche” ganha nos “22” de Portugal, Tonga iria marcar o seu 2º ensaio com o “maul” dinâmico a funcionar na perfeição. Quando Portugal tinha a posse da bola, teve algumas más opções no ataque e por outro lado além de não conseguir sair do seu meio campo deprava-se com uma autêntica “parede” defensiva, muito forte na placagem. Aos 60 minutos Tonga iria marcar mais 3 pontos graças a uma penalidade aos postes convertida por Kurt Morath. Portugal cometia algumas faltas e começava a sentir algumas dificuldades na “melee”. Aos 66 minutos Tonga passa para a frente do marcador com mais uma penalidade aos postes. Portugal ainda não tinha ido ao meio campo adversário com alguma consistencia e não tinha mesmo chegado aos “22” do adversário. Tonga mantinha forte pressão e consegue aos 80 minutos, ou seja, mesmo no final do jogo mais 3 pontos, conseguindo assim uma vantagem de 5 pontos. Os homens da casa ainda estavam dentro do resultado e tal como frente aos Jaguares, instala-se no meio adversário com grande bravura tendando num último folgo chegar ao ensaio. As forças já não eram muitas e por outro lado a defesa de Tonga era sem dúvida muito forte. Miguel Portela (mais um grande jogo) iria ainda jogar uma penalidade à mão de forma rápida tentando surpreender o adversário, mas não houve o apoio necessário ao transportador da bola (não tinha sido a primeira vez que isso tinha acontecido) e com isso os visitantes iriam fazer um “turn over” e o jogo acabaria assim. De referir que Portugal ganhou 10 Alinhamentos, num total de 14 introduzidos (71,43% de eficácia), ganhou por 7 vezes a bola nos seus “22” e das 68 placagens efectuadas, falhou 11 (16,18%), enquanto que 57 foram bem sucedidas (83,82%). De referir que Tonga ganhou 5 Alinhamentos, num total de 8 introduzidos (62,50% de eficácia), ganhou por 5 vezes a bola nos seus “22” e das 76 placagens efectuadas, falhou 9 (11,84%), enquanto que 67 foram bem sucedidas (88,16%).

Minuto a Minuto:

Inicio do Jogo: 14h58


6 Minutos – Ensaio e Pontapé Não Convertido – Tonga (00-05)

12 Minutos – Drop Goal – Portugal (03-05)

19 Minutos – Ensaio e Pontapé Convertido – Portugal (10-05)

24 Minutos – Penalidade Postes e Pontapé Convertido – Portugal (13-05)

28 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido – Portugal (16-05)

37 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido – Tonga (16-08)

44 Minutos – Drop Goal – Portugal (19-08)


Fim da 1ª Parte: 15h43

Resultado da 1ª Parte: Portugal – 19; Tonga – 08


Inicio da 2ª Parte: 15h53

52 Minutos – Ensaio e Pontapé Convertido – Tonga (19-15)

60 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido – Tonga (19-18)

66 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido – Tonga (19-21)

80 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido – Tonga (19-24)


Fim do Jogo: 16h38

Resultado da 2ª Parte: Portugal – 00, Tonga – 16

Resultado Final: Portugal – 19; Tonga - 24



Estatística:



% - PORTUGAL - Geral - TONGA - %
19 - Resultado - 24
1 - Ensaios - 2
100,00% - 1 - Conversões - 1 - 50,00%
100,00% - 2 - Penalidades "Postes" - 4 - 100,00%
2 - Drop Goal - 0
100,00% - 19 - 1ª Parte - 8 - 33,33% - 0,00%
0 - 2ª Parte - 16 - 66,67%

TOTAL

% - PORTUGAL - Situações de Jogo - TONGA - %

85,71% - 6 - "Melee Ganhas" - 8 - 100,00%
14,29% - 1 - "Melee Perdidas" - 0 - 0,00%
71,43% - 10 - "Touches" Ganhas - 5 - 62,50%
28,57% - 4 - "Touches Perdidas" - 3 - 37,50%
12 - Penalidades Obtidas - 10
33,33% - 4 - Penalidade "à Mão" - 1 - 10,00%
41,67% - 5 - Penalidade "à Touche" - 5 - 50,00%
16,67% - 2 - Penalidade "Postes" - 4 - 40,00%
8,33% - 1 - Penalidade "Melee" - 0 - 0,00%
1 - "Mauls" Ganhos - 2
73 - "Ruck's Ganhos - 58
83,82% - 57 - Placagens bem sucedidas - 67 - 88,16%
16,18% - 11 - Placagens falhadas - 9 - 11,84%
23 - "Turn Overs" - 25
15 - Erros - 10
7 - Linha da Vantagem "ultrapassada" - 9
14,29% - 1 - Fases Estásticas - 2 - 22,22%
85,71% - 6 - Restantes - 7 - 77,78%
3 - Bola Perdida "22" - 0
7 - Bola Ganha "22" - 5

quarta-feira, novembro 25, 2009

Portugal - 13; Argentina A - 24


Introdução:

Tarde de muita chuva antevia uma partida complicada, embora nos meus tempos de jogador estes eram claramente os meus jogos preferidos, chuva, frio e terreno pesado! Apesar de tudo o Estádio Universitário teve uma casa simpática, para assistir a uma boa partida de Rugby. Vitória justa dos "Jaguares" que souberam aguentar melhor as condições atmosféricas e resistiram a um inicio forte dos "Lobos".

Apesar das dificuldades nas "melee´s" Portugal conseguia ter mais posse territorial, muito também das sucessivas faltas que o seu adversário cometia, mas não se pode tirar o mérito à forma como os homens da casa faziam (bom) uso da posse da bola em território Argentino. Aos 3 minutos Eduardo Acosta iria marcar o 1º e único ensaio "luso" após toda a "Avançada" ter trabalhado bem em sucessivas formações espontâneas, até à linha de ensaio, surpreendendo até um pouco os Argentinos. Com o pontapé a ser convertido por Pedro Leal, Portugal ganhava uma vantagem de 7 pontos. Ao contrário dos seus adversários os "Lobos" cometiam poucas faltas, tentavam através do jogo ao pé colocar dificuldades na defesa adversária, embora esses pontapés não estavam a ser felizes. Na primeira penalidade obtida os "Jaguares" iriam marcar 3 pontos, através do seu médio de abertura Gonzalez Santiago. Contudo os homens da casa mantinham o domínio territorial ganhando muitos metros no terreno, graças a acção dos seus Avançados, destaque para Juan Severino que jogou muito bem, às faltas do adversário e a uma defesa muito sólida, embora nalgumas situações as linhas atrasadas cometiam alguns erros a nível da cobertura com muitos pontapés do formação e abertura argentinos. Aos 17 minutos Portugal ia beneficiar de mais uma penalidade e Pedro Leal aproveita esse factor para marcar mais 3 pontos. Eram perdidas alguns Alinhamentos, fazendo com isso perder a posse da bola e em muitos casos perder o domínio territorial. Aos 20 minutos depois de uma Touche rápida e de sucessivos ataques pelo lado fechado, os "Jaguares" marcariam o seu primeiro ensaio, com algumas culpas para a defesa de Portugal. O Pontapé não viria a ser convertido e como tal a vantagem era de 2 pontos. Os visitantes começavam a instalar-se mais vezes no meio campo adversário. Cometiam menos faltas e aproveitavam algumas debilidades, já aqui referidas, do adversário. Apesar de tudo na placagem Portugal defendia bem e destaque aí para Miguel Portela que nalguns momentos de maior aperto trouxe para o jogo a maturidade necessária para aguentar o adversário nos tais momentos de maior pressão. Aos 28 minutos os visitantes poderiam ter passado para a frente do marcador mas a bola bateu violentamente no poste. Contudo a jogada teve continuidade e por pouco não sofremos um ensaio, mas até ao intervalo o resultado não se iria alterar, graças a uma atitude defensiva muito forte e algumas faltas cometidas no ataque dos Argentinos. O mau tempo persistia e logo aos 2 minutos Portugal dispõe de uma excelente oportunidade para marcar mais 3 pontos, mas o pontapé aos postes não iria ser concretizado. Portugal jogava com mais um, graças a uma expulsão temporária do nº 4 Argentino (julgo eu, não tenho bem a certeza!) e a pressão nos "22" do adversário e grande, mas a Argentina consegue através de um bloco defensivo muito forte fisicamente "sacudir" a pressão, conseguindo inclusive instalar-se no meio campo adversário. Os "Jaguares" cometiam menos faltas, faziam um jogo mais compacto e no pontapé continuavam felizes na conquista de terreno, embora a linha da vantagem não era ultrapassada com grande frequência. Aos 11 minutos os visitantes iriam passar para a frente do marcador graças a uma penalidade aos postes. Aos 17, marcam novamente 3 pontos traduzindo assim um maior domínio territorial, apesar de estarem em desvantagem numérica. Aos 23 minutos iriam repetir a dose. Portugal baixava o ritmo de jogo, as condições físicas talvez não fossem as melhores e por outro lado as jogadas de ataque não estavam a produzir efeitos. Por outro lado Portugal cometia mais faltas e perdiam largos metros com essa acção e por outro lado cometia alguns erros não forçados, embora neste capítulo os erros foram justamente destribuidos, 10 em cada parte. Mesmo assim aos 31 minutos os "Lobos" iriam marcar os seus últimos pontos graças a mais uma penalidade aos postes, na sequência de uma boa investida nos "22" do adversário. Apesar das dificuldades os homens da casa estavam "dentro do resultado" e portanto era completamente possível obter a vitória no encontro. Mas os Argentinos iriam manter a pressão no meio campo adversário. Portugal ia defendo como podia, mas perdia algumas bolas nos seus "22" embora tenha ganho algumas vezes em situações de turn over´s, ou através de erros do adversário. Aos 37 minutos o árbitro marca ensaio de penalidade a favor da Argentina depois de falta na "melee" por parte dos Lobos. Com o pontapé a ser convertido o resultado ficava fechado. De referir que Portugal ganhou 11 Alinhamentos, num total de 20 Alinhamentos introduzidos (55,00% de eficácia), ganhou por 7 vezes a bola nos seus "22" e das 65 placagens efectuadas, falhou 13 (20,00%), enquanto que 52 foram bem sucedidas (80,00%). A Argentina ganhou 10 Alinhamentos, num total de 12 introduzidos (83,33%), ganhou por 2 vezes a bola nos seus "22" e das 57placagens efectuadas, falhou 10 (17,54%), enquanto que 47 foram bem sucedidas (82,46%).


Minuto a Minuto:

Inicio do Jogo: 15h02

3 Minutos - Ensaio e Pontapé Convertido - Portugal (07-00)

8 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Argentina A (07-03)

17 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Portugal (10-03)

20 Minutos - Ensaio e Pontapé Não Convertido - Argentina A (10-08)

28 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - Argentina A


Fim da 1ª Parte: 15h46

Resultado da 1ª Parte: Portugal - 10, Argentina - 08

Inicio da 2ª Parte: 15h58


42 Minutos - Cartão Amarelo - Argentina A

42 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - Portugal

51 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Argentina A (10-11)

57 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Argentina A (10-14)

63 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Argentina A (10-17)

67 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - Portugal


71 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Portugal (13-17)

77 Minutos - Ensaio e Pontapé Convertido - Argentina A (13-24)

Fim do Jogo: 16h40

Resultado da 2ª Parte: Portugal - 03, Argentina A - 16

Resultado Final - Portugal - 13; Argentina A - 24



Estatística:



% - PORTUGAL - Geral - ARGENTINA A - %
13 - Resultado - 24
1 - Ensaios - 2
100,00% - 1 - Conversões - 1 - 50,00%
50,00% - 2 - Penalidades "Postes" - 4 - 80,00%
0 - Drop Goal - 0
76,92% - 10 - 1ª Parte - 8 - 33,33%
23,08% - 3 - 2ª Parte - 16 - 66,67%

TOTAL

% - PORTUGAL - Situações de Jogo - ARGENTINA A - %
72,73% - 8 - "Melee Ganhas" - 8 - 88,89%
27,27% - 3 - "Melee Perdidas" - 1 - 11,11%
55,00% - 11 - "Touches" Ganhas - 10 - 83,33%
45,00% - 9 - "Touches Perdidas" - 2 - 16,67%
12 - Penalidades Obtidas - 11
0,00% - 0 - Penalidade "à Mão" - 1 - 9,09%
66,67% - 8 - Penalidade "à Touche" - 5 - 45,45%
33,33% - 4 - Penalidade "Postes" - 5 - 45,45%
0,00% - 0 - Penalidade "Melee" - 0 - 0,00%
4 - "Mauls" Ganhos - 1
43 - "Ruck's Ganhos - 54
80,00% - 52 - Placagens bem sucedidas - 47 - 82,46%
20,00% - 13 - Placagens falhadas - 10 - 17,54%
21 - "Turn Overs" - 25
20 - Erros - 14
6 - Linha da Vantagem "ultrapassada" - 8
33,33% - 2 - Fases Estásticas - 3 - 37,50%
66,67% - 4 - Restantes - 5 - 62,50%
7 - Bola Perdida "22" - 1
7 - Bola Ganha "22" - 2


P.S. Desculpem a demora, mas ando com problemas no meu portátil (a nível do browser)

sábado, novembro 21, 2009

Coisas de Comer


O Coisas de Rugby têm agora um irmão novo o Coisas de Comer(http://coisasdecomer.blogs.sapo.pt/). O blogue ainda está no inicio e como tal o título indica, podemos afirmar que a cebola ainda está na panela a refogar! Além de Rugby adoro comer e acima de tudo ir a sítios novos, velhos, banais, excepcionais, comer uma refeição faz parte de um ritual que eu prezo muito (até demais!!!). Tal como o irmão mais velho, o Coisas de Comer irá analisar de forma perfeitamente descomprometida alguns locais que este vosso "blogueiro" visita. A análise irá ser igualmente séria, isenta e o mais rigoroso possível!

Espero que acompanhem e apreciem este novo espaço!

P.S. Tal como os textos a imagem e o design do blogue está também em processo de confecção. Sendo uma área em que só sei o básico cheira-me que este irá ser um daqueles pratos que demoram horas a fazer :)

domingo, novembro 15, 2009

Cascais - 16; VFC - 16


Introdução:

Depois do jogo no Estádio Universitário aproveitei o tempo livre para me deslocar até ao Campo da Guia, para assistir ao Cascais vs Vitória de Setúbal, jogo a contar para a 6ª Jornada do Campeonato Nacional da I Divisão. Foi um jogo muito emotivo, em que por vezes o Rugby nem sempre foi bem tratado, mas valeu acima de tudo pela entrega e garra de todos os jogadores presentes em campo.
Começo de jogo bem equilibrado com a bola a ser muito disputada a meio campo. Ambas as equipas muito agressivas no jogo ao chão, muitas das vezes nessas disputas de bolas eram cometidas faltas. Aos 6 minutos o Cascais aproveita uma penalidade para atirar aos postes e fazer assim os seus primeiros 3 pontos. Os homens da casa tinham mais território e mais bola, mas não eram totalmente felizes no ataque, principalmente nas linhas atrasadas. Os Avançados comandados por Conrad iam fazendo algum estrago, com sucessivas formações espontâneas, mas eram lentos a sair dessas mesmas formações. Aos 17 minutos mais três pontos para os homens da casa que assim aumentavam a vantagem para 6 pontos. A partir desse instante o Vitória organizou-se, maior apoio ao transportador da bola, preocupou-se em ter mais a oval e acima de tudo tentou ter mais terreno, que foi conseguindo paulatinamente até ao final da 1ª Parte. O Cascais começava a cometer muitas faltas e sentia mais dificuldades em sair da sua área de "22". O Vitória sentia algumas dificuldades no jogo de Avançados, apesar de nas melee´s causar algumas dificuldades ao adversário. Os sadinos eram obrigados abrir jogo e por vezes não se davam bem, ou porque o passe era feito de forma defeituosa, ou porque a acção dos defesas do Cascais era eficazes. Depois de algum tempo nos "22" do adversário o Vitória marca os seus primeiros pontos graças a uma penalidade aos postes, quando estavam decorridos 28 minutos de jogo. O Cascais depois disto conseguiu equilibrar o domínio territorial e teve até uma oportunidade de dilatar a vantagem num pontapé aos postes por volta dos 32 minutos. Apesar do Cascais ter equilibrado um pouco as coisas, o Vitória não deixou de pressionar os defesas adversários, ora através da acção dos seus Avançados ou pelos pontapés do "abertura" (excelente pé esquerdo, boa colocação e visão de jogo) e do nº 15. Foi numa dessas situações que já em tempos de desconto os homens de Setúbal conseguem o seu ensaio, graças a um erro infantil do defesa do Cascais que larga a bola já perto dos seus "22" permitindo uma intercepção de passe. Com o pontapé a não ser convertido o Vitória de Setúbal acabava a 1ª Parte com uma vantagem de apenas 2 pontos (06-08). Na 2ª Parte o Cascais entrou muito forte, rápido, jogo muito apoiado aproveitando um bloco de Avançados que trabalhava bem o "maul" dinâmico. O Vitória sofria muito, nos seus "22", e aos 13 minutos não iria conseguir evitar o ensaio do adversário, depois de uma penalidade jogada à mão de forma rápida. O pontapé não viria a ser convertido e como tal o resultado ficava em 11-08. Só que este jogo estava realmente equilibrado, no sentido em que quando uma equipa sofria pontos, reagia de imediato, tentando instalar-se rapidamente no meio campo adversário e conquistar assim pontos. Foi isso que aconteceu mais uma vez com os visitantes a fazer grande pressão nos "22" do adversário e a obterem o seu ensaio aos 22 minutos depois de um grande jogada com a bola a circular por muitos jogadores de uma ponta à outra, com o último passe a ser feito de forma muito bem conseguida. Com os sadinos em vantagem por 2 pontos o Cascais tentou novamente pressionar o adversário no seu meio campo, mas iriam acabar por sofrer mais 3 pontos graças a mais uma penalidade aos postes. Faltavam 12 minutos para o final e a diferença no resultado era de apenas um ensaio não convertido, o Cascais ainda podia ganhar a partida, mas apenas conseguiu empatar, graças a um alinhamento ganho nos "22" do adversário seguido de "maul" dinâmico até à linha de ensaio. Já no final da partida os visitantes tiveram quase a vitória na mão depois de um pontapé interceptado nos "22" do Cascais com a bola a saltitar na área de validação sem que ninguém conseguisse fazer o tão desejado ensaio. De referir que o Cascais, ganhou 17 Alinhamentos, num total de 18 introduzidos (94,44% de eficácia), ganhou por 6 vezes a bola nos seus "22" e das 57 placagens efectuadas, falhou 7 (12,28%), enquanto que 50 foram bem sucedidas (87,72%). O Vitória de Setúbal ganhou 11 Alinhamentos, num total de 15 Alinhamentos introduzidos (73,33%), ganhou por 3 vezes a bola nos seus "22" e das 77 placagens efectuadas, falhou 12 (15,58%), enquanto que 65 foram bem sucedidas (84,42%).


Minuto a Minuto:


Inicio do Jogo: 17h03


6 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Cascais (3-0)

10 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - VFC

17 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - Cascais (6-0)

28 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - VFC (6-3)

32 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - Cascais

40 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - VFC

45 Minutos - Ensaio e Pontapé Não Convertido - VFC (6-8)


Fim da 1ª Parte: 17h48

Resultado da 1ª Parte: Cascais - 06; VFC - 08


Inicio da 2ª Parte: 17h57


41 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - Cascais

53 Minutos - Ensaio e Pontapé Não Convertido - VFC (11-8)

57 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - VFC

62 Minutos - Ensaio e Pontapé Não Convertido - VFC (11-13)

65 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Não Convertido - Cascais

68 Minutos - Penalidade Postes e Pontapé Convertido - VFC (11-16)

74 Minutos - Cartão Amarelo - VFC

77 Minutos - Ensaio e Pontapé Não Convertido - Cascais (16-16)

Fim do Jogo: 18h40

Resultado da 2ª Parte: Cascais - 10; VFC - 08

Resultado Final - Cascais - 16, VFC - 16


Nota: A Estatística será postada brevemente (problemas com o ficheiro)